sexta-feira, 25 de maio de 2018

JOTA NINOS: 34 anos de jornalismo nas veias

Jota Ninos, Ormano Sousa e Manuel Dutra: pupilos e o mestre.
Era uma sexta-feira, 25 de maio de 1984. Faltavam menos de dois meses para eu completar 21 anos. Cheguei à garagem da Rádio Rural com minha velha Mobylette Caloi cor de prata (uma motoneta que havia ganhado de meu pai, no Natal anterior) e perguntei onde era a sala de um tal Eriberto Santos.
Meu corpo – à época com pouco mais de 60 quilos, hoje é quase o dobro – tremia muito, num misto de paúra e excitação. Ia me apresentar para um teste de repórter da maior emissora de rádio da região. No ano anterior, durante alguns meses, tinha tido a experiência de produzir e apresentar na emissora o programa dominical Momento Sindical, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, junto com a futura reitora da Ufopa, Raimunda Monteiro. No programa não havia participação ao vivo, apenas gravações, mas todos que me conheciam dos movimentos sociais (onde atuava como militante) diziam que eu levava jeito pra coisa e me incentivaram para tentar a vaga.
“Meu nome é João Georgios Ninos, e soube que vocês têm uma vaga para repórter”, balbuciei ao Eriberto. Ele me apresentou a outro rapaz do qual nem recordo o nome e com o qual disputaria a vaga. Recebemos pautas e saímos para cumpri-las. “Quem chegar primeiro – disse, rindo, o Eriberto – fica com a vaga”. No fim do dia, apesar de meus infortúnios (que relatei de forma pitoresca no post http://goo.gl/lrc15R), consegui a vaga! Começava ali minha saga de jornalista, no interior da Amazônia!
Hoje comemoro essa data solitariamente, sem muita pompa, fazendo aquilo que sempre gostei de fazer desde adolescente: escrever. E escrevo neste maltratado blog, que parei de alimentar diariamente (e com muitos intervalos e retornos), por conta de minhas atribuições como servidor do Judiciário e auxiliar do juiz do Tribunal do Júri, que me toma muito o tempo, desde que passei no concurso público em 2003. Mesmo atuando como analista judiciário, não deixei de lado meu “Eu” jornalista. E sempre que posso, deixo minhas palavras impressas em algum lugar, principalmente nas redes sociais.
Sérgio Henn, Jota Ninos, Edinaldo Mota e Eriberto Santos: 
Assessoria de Comunicação da PMS (1997)
Entro de férias dentro de uma semana e espero poder finalizar um livro que sempre anuncio, mas nunca consigo terminar, com uma coletânea do que melhor escrevi nesses 30 anos de profissão, em reportagens e crônicas, para publicar em julho, nos meus 51 anos de vida (e quem sabe assistindo a vitória da seleção brasileira na final da Copa de 2014, que acontecerá justamente no dia do meu aniversário!).
Mas enquanto o livro não sai, faço aqui (quase no fim do dia) uma pequena análise pro meu ego e reparto com meus poucos leitores, as impressões dessa jornada cheia de altos e baixos, que ajudou de alguma forma a moldar meu senso crítico.
Um repórter engajado e atormentado
Como disse no início do texto, antes de trabalhar como repórter eu era militante do movimento popular. Um pequeno-burguês que acreditava que mudaria o mundo. Foi no comércio de meu pai, uma lanchonete que fazia sensação no centro da cidade (Nino-Lanche), que conheci, em 1979, a então militante Raimunda Monteiro (atual reitora da Ufopa), a eterna Raimundinha. E através dela acabei indo frequentar um grupo de jovens que apresentava peças de teatro com temática engajada nos bairros da periferia e questionavam a ditadura militar. Aos 16 anos, comecei a forjar um articulador de movimentos sindicais, populares e estudantis, até me filiar a um partido que surgiria em 1981, nascido exatamente destas lutas contra a ditadura: o Partido dos Trabalhadores (PT).
Pelo talento (ou seria pela porra-louquice?) que demonstrava sempre eram-me repassadas as funções de registro dos acontecimentos do movimento, seja em atas ou em gravações reproduzidas depois em panfletos. Por conta disso, participei de um mini-curso para produção de boletins informativos do movimento e atuei em muitos dos que foram criados à época, sendo o mais importante deles o da extinta Associação dos Comerciários: O Talonário.
Foi com essa bagagem que cheguei ao cargo de repórter. A Rádio Rural vivia naquele momento dos anos 1980, uma mudança de direcionamento, dando maior espaço aos movimento populares em sua programação, por conta da influência dos padres da chamada Teologia da Libertação que passaram a ocupar a direção da emissora. Um ex-seminarista chamado Dornélio Silva, que voltou de Belém para atuar na antiga Catequese Rural (hoje Comissão Pastoral da Terra – CPT) e que tinha experiência em comunicação, foi atuar no Setor de Jornalismo da Rural e seria fundamental para a minha carreira.
Ao saber que seria aberta uma vaga no setor, Dornélio procurou os líderes dos movimentos sindicais de Santarém para saber se havia algum jovem que se moldasse à função, para que a vaga fosse ocupada por alguém sensível às causas populares. Ninguém pestanejou em apontar meu nome e logo fui chamado e desafiado a dar tudo de mim para ocupar a vaga, como se fosse uma tarefa de luta. Naquele momento, ainda via a chance como auto-afirmação de militante de uma causa, não como sacerdócio profissional.
Depois de aprovado no teste, percebi que o engajamento político me causaria problemas. Na emissora, muitos colegas viravam o rosto pra mim, acreditando que eu tinha sido “indicado pelos padres” (e eu não entendia o porquê da repulsa). Achavam até que eu era mais um dos seminaristas que já haviam atuado no Jornalismo, mas mal sabiam que nunca tinha nem frequentado igreja e que desde cedo decidi não ter religião alguma! Foi aí que percebi que apesar de muitos padres pregarem a “opção pelos pobres”, não cuidavam dos trabalhadores de sua própria emissora que reclamavam injustiças diárias e salários baixos!
O pior é que os “companheiros” me viam como um braço do movimento dentro da emissora, e encaminhavam líderes sindicais para me levarem notícias. Eriberto Santos, sempre gozador, encaminhava todos que chegavam para trazer informes das comunidades para o “repórter do PT, lá no fundo da sala”... Ainda imaturo, não sabia reagir àquilo tudo, ao mesmo tempo em que cada vez mais me convencia de que queria ser um jornalista profissional, mas não tão engajado e nem tampouco omisso. Como fazer a transição entre o engajamento partidário e a afirmação profissional?
Formadores de um repórter
Minhas angústias eram remoídas nas noites de plantão, enquanto produzia o Jornal da Manhã. Dornélio Silva, mais experiente, passou a ser meu interlocutor e solidificamos uma amizade que dura até hoje. Chegamos a morar juntos e trocar confidências pessoais. Uma amizade que ia além da ideologia. Mas outras pessoas foram importantes na minha formação, naquele início de carreira e sou grato à elas até hoje.
O já falecido amigo Eriberto Santos, sem dúvida, foi fundamental naquele início. Acreditou no meu potencial desde o primeiro dia. Deu dicas preciosas e era o tipo do chefe dos sonhos: deixava rolar e adorava manter um clima de euforia no departamento. Não me lembro de ter levado qualquer “bronca” dele, mesmo quando cometia algum deslize. Ao contrário, chamava pra uma conversa e dizia onde errei e como deveria proceder. “Você é responsável pelo que faz”, dizia sempre. Isso atiçava meu senso de disciplina adquirido na militância política, e fazia tudo para evitar novos erros. Até hoje, nas experiências de chefia que tive, tentei usar o mesmo estilo de Eriberto na condução das equipes que comandei, seja no Jornalismo, seja na Justiça.
Poucos meses depois de estrear, comecei a ousar em alguns textos e mostrei minha verve humorística, que Eriberto adorou. O pessoal da Rádio começou a notar o talento que eu tinha com as palavras, principalmente na cobertura da Câmara Municipal. Meus comentários pela manhã misturavam notícia sobre vereadores e frases irônicas. Adorava pinçar detalhes pitorescos das sessões e jogava no texto, como o desalinho de um vereador com a roupa sempre amassada, os erros de português de outro, ou a mosca que insistia em não deixar um terceiro vereador falar da tribuna. Pequenas coisas que faziam meu texto ser “guerrilheiro” e atacar as “autoridades constituídas”. Era a influência da leitura dos textos non sense do jornalista carioca Carlos Eduardo Novaes, do qual era fã, além dos textos irreverentes da revista Casseta Popular e do periódico satírico Planeta Diário (os autores destas duas edições se uniriam mais tarde para escrever o roteiro do revolucionário programa TV Pirata, e anos mais tarde, o Casseta & Planeta!). E isso começou a atrair inimigos contra mim...

Jota Ninos, Ormano Sousa e Manuel Dutra: pupilos e o mestre.
O respeitável jornalista Manuel Dutra, que tinha sido gerente da emissora e fazia o comentário diário do Jornal da Manhã, um dia me encontrou no corredor da Rural e me elogiou pelos textos. Daquele primeiro contato surgiu uma nova e sólida amizade que transformei na relação de pupilo e mestre, até hoje. Dutra passou a me dar orientações e até chamava minha atenção quando passava do ponto. Houve um episódio em que chegou a me esculachar e dizer que eu tinha feito molecagem (outro dia dou detalhes).
Mas não posso esquecer também da contribuição de outras pessoas nesse início de carreira: o ex-redator gaúcho, o falecido Sérgio Henn (sim, aquele da avenida mais perigosa do trânsito...) e Ismaelino Soares (irmão de Santino Soares), com os quais também dividi madrugadas na redação e que sempre buscavam frear minhas loucuras; as dicas para a reportagem em campo me foram passadas pelo mais experiente dos repórteres da época: Sampaio Brelaz; e finalmente, o amigo José Parente de Sousa, o Jota Parente, chefe de programação da Rural, que sempre abalizou muitas das minhas loucuras no jornalismo e me deu a chance de ser apresentador do Canta Brasil, programa com músicas de MPB que ele produzia e apresentava nas tardes de sábado, e que eu adorava. Dali, para apresentar o Bazar Brasileiro (criado em 1985) nas noites de domingo, foi um pulo.
A gênese de um repórter polêmico
Quanto mais eu me embrenhava no Jornalismo, mais eu me distanciava da militância política. A imaturidade de algumas lideranças sindicais daquele período (tendo à frente meu grande mentor nos movimentos sociais, Pedro Peloso – à época esposo de Raimundinha), me levou à condição de proscrito nos movimentos sociais e até de “traidor da causa dos trabalhadores”. Ao ponto de alguns até tramarem minha saída da emissora (que ocorreria, finalmente, em 1986).
Mas apesar disso, comecei a cunhar minha fama de “polêmico”, epíteto que incorporei ao meu nome de guerra. Nas primeiras férias da emissora fui rever minha Belém, mas procurei os radialistas que faziam sucesso. Santino Soares me levou à Rádio Liberal e me mostrou como se faziam os programas policiais. O mais famoso à época era o do Adamor Filho. Achei que podia fazer aquilo em Santarém, mas com outra roupagem.

Uma famosa entrevista coletiva com Ronaldo Campos (centro) da qual participo (1986). 
Na foto estão (da direita para a esquerda) os colegas: Manuel Dutra, Adriana Lins, 
Joanir Silva, Jota Ninos, Marco Nogueira, os irmãos Ray e Josivaldo Pereira, 
e Jurandir Anselmo. Ao fundo Eriberto Santos (falecido), o ex-vereador Davi Pereira 
e o comunicador Geraldo Bandeira (também falecido). Foto do Acervo do ICBS.
Quando voltei, levei a ideia ao gerente da emissora, Eduardo dos Anjos (hoje, meu colega como oficial de Justiça), que não aprovou. Ele acreditava que Santarém não estava preparada para um programa policial, até porque as ocorrências na delegacia eram poucas. Dornélio me ajudou a convencê-lo mostrando que o programa teria uma abertura para a população se manifestar, através de cartas, numa sequência que se chamaria “Broncas do Povão”. Parente foi decisivo: “Acho que vai dar certo”. Nascia ali o programa que viria a ser a maior audiência da emissora: o Plantão da Cidade. Inicialmente era um programa de 15 minutos após o jornal do Meio-Dia, que era apresentado por Oswaldo de Andrade. A apresentação irreverente e a parceria com Clenildo Vasconcelos, que era programador musical, era o tempero que faltava. Clenildo e os operadores de áudio que antes me viravam a cara passaram a disputar o horário, pois eu dava liberdade para criarem vinhetas que adicionassem humor. E as Broncas do Povão, segunda parte do programa eram o maior sucesso. As reclamações eram as mesmas de hoje, falta d’água, luz nos postes, buracos nas ruas. Mas eu aproveitava para desancar o prefeito de plantão. Um deles foi Ronan Liberal (pai do vereador Ronan Liberal Jr.) e outro viria se tornar meu maior inimigo: Ronaldo Campos de Souza, pai do hoje radialista e blogueiro JK.
Criei o personagem Honestino Honesto da Silva, personificado por Clenildo Vasconcelos, com sua irreverência de imitar um velho caboclo do interior. Honestino era uma sátira contra os políticos desonestos, já que era um demagogo de primeira. Eu fazia os textos e Clenildo os interpretava ao vivo. O sucesso do personagem foi tão grande que nas eleições de 1985, o lancei como candidato a prefeito e houve o registro de pelos menos três votos (de protesto) nas urnas de papel! Mas Ronaldo Campos venceu as eleições e eu passei a ser seu principal adversário. Até que em 1986 fui demitido, e muita gente logo atribuiu minha demissão à perseguição do prefeito, mas eu sabia que nos bastidores o meu partido havia contribuído com a demissão, por eu ter iniciado a criação de uma tendência partidária que se opunha à direção de então. Mas isso é assunto pra outra postagem...
Repórter andarilho
A saída da Rural, no auge da audiência, ajudou a construir a imagem do repórter andarilho, desde então. Passei por várias empresas e sempre era demitido por injunções político-partidárias, nunca por incompetência. Quando saí da Rural, reforcei a sequência das Broncas do Povão criando outro personagem, o Broncolino Bronqueado da Silva, que era interpretado por um jovem conhecido como Amadeu dos Santos (irmão do Tadeu, famoso vocalista da Banda 5ª Dimensão). Broncolino seria irmão de Honestino na minha ficção e era um caboclo que odiava os corruptos como seu “irmão”, e como porta-voz da ira do povão passou a ser meu alterego. Ao sair da Rural levei o personagem comigo para a recém-inaugurada Rádio Tropical, do empresário Ubaldo Corrêa, onde criei o programa Comando Tropical, que até um dia desses ainda estava no ar. Foram cinco meses intensos nessa emissora, e acabei tendo a chance de trabalhar pela primeira vez na TV Tapajós, já que Ubaldo era diretor dessa emissora (à época os Pereira e os Corrêa ainda não haviam desfeito a sociedade).
Em 1986 vivi a experiência de trabalhar no jornal O Tapajós, jornal que chegou a ter três edições semanais e foi o primeiro completamente produzido e impresso em Santarém. Antes disso, já havia tido uma experiência escrevendo alguns artigos sobre política no extinto Jornal de Santarém, na gestão do falecido jornalista Arthur Martins. Demitido da Tropical, mais uma vez por pressões políticas (desta feita por obra do prefeito Ronaldo Campos), preparei meu retorno à Rural no ano seguinte. O detalhe curioso é que na Tropical cunhei o apelido de “prefeito abelha” (quando não está voando está fazendo cera) contra Ronaldo Campos por causa de suas eternas viagens em busca de verbas que nunca chegavam, e isso era a coisa que ele mais odiava, além das denúncias (o engraçado foi ver recentemente seu filho JK usar a mesma expressão contra outros prefeitos da região, em seu blog...rs).
A briga com o prefeito continuaria no meu retorno à Rádio Rural em janeiro de 1987. Só que um pedaço de mim ficou na Tropical: o personagem Broncolino foi “confiscado” e eu bem que poderia ter feito uma briga judicial por direito autoral, mas à época nem liguei pra isso. Na Rural, meu programa continuava, mas já não era o mesmo. Eu precisava resgatar sua credibilidade. Passaram-se cinco meses, até que ocorreu o episódio dos sacos de cimento e da invasão do prefeito ao estúdio, como já contei em outra postagem: http://goo.gl/BSaEiX. Estava restabelecida a sina do repórter polêmico.
Mas esse episódio me deu medo, pelas ameaças anônimas que recebi. Meu pai providenciou minha ida à Grécia para estudar, com medo que eu fosse mais uma vítima de pistoleiros, que agiam despudoradamente na região. Em 1988 fui para minha segunda Pátria e passei três anos lá. Tive a primeira experiência como correspondente internacional, primeiro escrevendo artigos para O Tapajós e depois para o semanário recém-criado (1989) Gazeta do Tapajós, dos irmãos Carneiro (Jeso e Celivaldo), dos quais sou amigo até hoje.
O retorno do filho pródigo

Sérgio Henn, Jota Ninos, Edinaldo Mota e Eriberto Santos: 
Assessoria de Comunicação da PMS (1997)
No retorno a Santarém, passei pela TV Ponta Negra (1992), onde trabalhei como editor-chefe de um jornal que vinha depois do Jô Onze e meia (pouca gente assistia); fui repórter, redator e editor do jornal Estado do Tapajós (1993/1994), do empresário Admilton Almeida (atual proprietário do jornal O Impacto); experimentei em 1995/1996 o trabalho de assessoria de comunicação de uma ONG ambientalista (Projeto Várzea, hoje IPAM), sob a coordenação de Socorro Pena. 
Em 1997, entrei para o mundo do marketing político, estreando como marketeiro e ajudando a eleger o então deputado Lira Maia por dois mandatos! Nesse período, atuei como chefe da Divisão de Comunicação e Marketing na gestão Lira Maia, sob a coordenação do amigo Sérgio Henn, com quem me reencontrei durante a campanha (ele era assessor de Alexandre Von); em seguida fui parar na assessoria de comunicação da Câmara Municipal auxiliando entre 1997/2001 os presidentes Mário Feitosa (PMDB) e Osmando Figueiredo (PDT); criei a empresa Lexis Marketing e Pesquisas (1998/2001) e fui sócio da produtora Set Light com Celia Henn e Paulo Tihammer.
Voltei ao jornalismo como correspondente do extinto jornal A Província do Pará (1999/2000) e nesse mesmo período trabalhei com Miguel Oliveira na instalação do jornal Província do Tapajós (que depois se tornaria O Estado do Tapajós, hoje só em versão online); em 2001 ingressei na TV Tapajós, a convite de Vânia Maia, assumindo a chefia do departamento de Jornalismo até 2003, quando passei no concurso do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), atuando inicialmente em Ananindeua. Nesse período convivi com colegas como Suelen Reis e Claudenice Lopes, que ainda hoje mantém a filosofia de trabalho que construímos juntos naquele período. Também vivi uma grande parceria com os amigos Grazziano Guarany, na criação do portal NoTapajós (hoje G1 Santarém) e com Nélson Mota e Pedro Liberal, na criação do programa Meio-dia em Ponto, da 94 FM, que até hoje está no ar.
Ao retornar a Santarém em 2004, tentei várias vezes atuar no jornalismo. Primeiro criando este blog e depois, a convite de Vânia Maia amiga de Jader Barbalho Filho, assumi por alguns meses a sucursal do Diário do Pará e lancei o encarte Diário do Tapajós (assumido depois pelo casal José Ibanês e Albanira Coelho); voltei a trabalhar na TV Tapajós, como chefe de Comunicação Corporativa e assessor de Comunicação da empresa, por um curto período em 2006.




Em 2007 voltei a apresentar o Bazar Brasileiro na Rádio Rural, atuando algumas vezes como comentarista nas eleições, sempre a convite de meu "líder espiritual" (rs) Edilberto Sena. O programa saiu do ar em 2009 e retornou em 2011, saindo novamente em 2013. Atualmente renegocio novo retorno ao programa que é meu xodó.
Com a falta de tempo, tenho colaborado com vários blogs ou como free lance em revistas e jornais, sendo o mais assíduo o blog do amigo Jeso Carneiro. Desde 2006, colaboro como assessor de imprensa informal do Judiciário, sendo liberado pela presidência do TJPA a produzir relises para o site do TJ e recentemente para a Rádio WebJus, no qual colaboro inclusive com boletins gravados.
Sindicalismo nas veias
A velha experiência com movimentos sindicais foi providencial na organização dos trabalhadores da comunicação. Em 1986, aquela insatisfação que víamos nos olhos dos colegas da Rural, se transformou em algo sólido, com a criação (um ano depois) da Associação dos Radialistas de Santarém, agregando colegas de várias emissoras como os irmãos Adilson e Adélson Sousa. Elegemos Dornélio Silva nosso primeiro presidente e eu fui vice. Depois que Dornélio e eu viajamos, Adélson Sousa assumiu e junto com Augusto Sousa (atual presidente), fundaram o Sindicato dos Radialistas em 1988. Colaborei com quase todas as diretorias do Sindicato, principalmente nas presidências de Ormano Sousa (1990/1994), Paulo Tihammer (1994/1996), Ronei Oliveira (1996/1998) e Rosa Rodrigues (1998/2000). A partir daí me afastei das atividades.
Em 2006 entrei para a 1ª turma de comunicação social, coordenada por Manuel Dutra, no Iespes – Instituto Esperança de Ensino Superior. Formados em Jornalismo em 2010, recebemos a incumbência de tentar mais uma vez a instalação de uma delegacia regional do Sinjor – Sindicato dos Jornalistas do Pará, agora com o nome de Diretoria Regional, sendo empossado em 2012 pela atual presidente Sheila Faro com mais quatro colegas: Rosa Rodrigues, Minael Andrade, Ednaldo Rodrigues e Ronilma Santos. Mas de lá para cá, apesar de várias reuniões e conversas pela internet, não conseguimos o objetivo de filiar os quase 100 jornalistas já diplomados aqui, e a maioria nem poderá votar nas eleições do Sinjor que vão ocorrer em junho, o que pra mim foi uma frustração. O envolvimento de todos os membros da diretoria com o curso de especialização da Ufopa, foi um dos motivos de não se dedicar com maior empenho na tarefa. Mas uma comissão de jovens jornalistas, liderados pela colega Ronilma Santos trabalha para finalizar esse doloroso processo, no qual ainda pretendo colaborar, se for possível. 
Neste dia em que completo 30 anos de Jornalismo, só pude terminar o texto agora à noite, porque aguardava o nascimento da nova filha, Nicole, mas que decidiu não sair para ser meu grande presente nesta data...

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Incra e Terra Legal fazem entregam aos produtores e assentados rurais do Oeste do Pará

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), juntamente com o Terra Legal, estará realizado neste Sábado, dia 26 a partir das 9 horas, no Sirsan- Sindicato Rural de Santarém, uma grande reunião. 
A finalidade será a entregam aos produtores e assentados rurais da Região Oeste do Pará, de (CCUS E BARRACAS FEIRA PARA FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR) E TERRA LEGAL (TÍTULOS DEFINITIVOS). 
Além da presença do Superintendente Regional do Incra no Oeste do Pará, Mário Sérgio da Silva Costa, estão confirmadas as representações Quilombolas, prefeitos e vereadores da região, Presidentes de comunidades, Lideranças Sindicais, além do Deputado Federal Wladimir Costa, o Wlad do Solidariedade.

Sespa emite alerta para o município de Prainha, após médico ser mordido por morcego

Além do ataque ao médico que estava em uma fazenda, há relatos de mortes de bovinos após mordidas de morcegos em Prainha.
O morcego hematófago pode transmitir o vírus da raiva (Foto: Lenito Abreu/Adapec)Comunicado de alerta foi emitido no início desta semana pela Coordenação Regional de Zoonoses, do 9º Centro Regional de Saúde da Sespa, para a Secretaria Municipal de Saúde do município de Prainha, no oeste do Pará, para adoção de medidas preventivas e investigação de ataques de morcegos a pessoas e animais naquela região.
Antes do envio de ofício à Semsa, a coordenadora regional de Zoonozes em Santarém, Elisângela Leal, já havia feito contato telefônico com o secretário de Saúde de Prainha, logo que tomou conhecimento da notificação de atendimento do médico Manoel Alvarenga, que foi mordido por morcego em uma fazenda naquele município, na madrugada do dia 19.
Segundo Elisângela Leal, são muitas as notificações que chegam à Sespa na região, mas um caso como o do médico que buscou atendimento em unidade de saúde por mordida de morcego foi o primeiro. “A secretaria de Saúde de Prainha deve adotar medidas de investigação do caso e também preventivas à raiva. Temos notícias também da morte de bovinos em Prainha por ataque de morcegos e já informamos à Adepará, que costuma ser parceira da Sespa em situações como essa. Já temos uma programação de visita ao município de Prainha para a primeira semana de junho”, informou.

Assassino de professora em Castelo de Sonho tinha deixado a prisão há 3 meses no Mato Grosso

lucas
Amanda Elizete Araújo de 32 anos, foi brutalmente assassinada em Castelo de Sonho

Um ex-presidiário morador de Guarantã do Norte (711 km de Cuiabá), vulgo Lucas, 22 anos, foi detido dentro de um ônibus após assassinar uma professora na cidade de Castelo de Sonho, no estado do Pará (920 km desta capital), durante uma tentativa de assalto. De acordo com informações Lucas, cometeu o latrocínio na última segunda-feira (21) e tentou retornar a Mato Grosso, quando foi preso.
O caso ganhou repercussão nas redes sociais e reacende o debate sobre as audiências de custódia. Segundo as informações, o suspeito do latrocínio no estado vizinho teria sido solto há pouco mais de três meses em uma audiência de custódia, depois de cometer um assalto em Guarantã do Norte.
Informações publicadas pelo site “Folha do Progresso” apontam que a vítima recebeu 30 facadas e teve o corpo encontrado pelo marido. Já o suspeito, Lucas, foi capturado próximo a Serra do Cachimbo quando tentava retornar ao Mato Grosso.Conforme consta no boletim de ocorrência, a vítima Amada Elisete da Costa, 30 anos, teve a casa invadida e foi esfaqueada diversas vezes. Além disso, teve o pescoço cortado.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

João Vicente Goulart, filho de Jango e pré-candidato pelo PPL à Presidência da República

“Temos que devolver ao povo brasileiro o que lhe pertence”
A Série Presidenciáveis da Rádio Som Maior FM e do Portal 4oito chega ao seu 12º entrevistado, trazendo os principais nomes na disputa à Presidência da República. Hoje foi a vez de João Vicente Goulart (PPL), filósofo e político brasileiro, filho do ex-presidente João Goulart. 
Ele falou sobre seus planos para o futuro do país, caso seja eleito, sobre a recente mudança de partido, do Partido Democrático Trabalhista (PDT) para o Partido Pátria Livre (PPL), e ainda sobre a atual situação econômica do Brasil.
“Partidos e políticas evoluem para posições que não são aquelas do começo da história. Hoje o PPL teve uma importante revisão sobre o trabalhismo e assumiu isso como uma ampliação de sua luta política e suas propostas para o Brasil. É importante dizer que hoje o PPL está com Brizola Neto, que veio para nossa agremiação”, contou.
O presidenciável revelou que deixou o PPL em 2017 por uma questão particular. Segundo ele, tudo aconteceu porque o presidente do partido, Carlos Lupi, manteve a sigla na base do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, após o mesmo vetar a construção do Instituto João Goulart.
“Seria a última obra do arquiteto Oscar Niemeyer, gênio brasileiro da arquitetura, para a composição do projeto arquitetônico do eixo monumental. O projeto demandava muita organização e a cessão de uso do terreno. Depois de sete anos no processo administrativo conseguimos a cessão de uso do terreno. E, para a nossa surpresa, o PDT apoiou o governador Rollemberg”, explicou.
Para Goulart, o Brasil vive um momento em que reconhece e resgata a memória e luta política de João Goulart. “Num momento em que o Brasil presta honras de chefe de Estado a ele, quando fizemos exumação e seus restos mortais chegaram à Brasília, com os militares prestando honras. Num momento em que tudo isso acontece no Brasil, o governador Rollemberg, apoiado pelo PDT, cassa pela segunda vez o presidente João Goulart. Eu disse: “e então, por gentileza, fique com o partido que eu fundei que eu fico com a memória de meu pai, que é mais importante”. E procurando alternativas encontrei no Pátria Livre uma disposição de resgatar o trabalhismo, regatar as políticas nacionalistas e as reformas de base”, disse.
O presidenciável diz que entrou no partido sem pretensão de ser pré-candidato, mas se sente honrado em encarar a missão. “Esta indicação muito me honra, porque é uma honra para qualquer brasileiro exercer o resgate e conduzir as reinvindicações do povo brasileiro”, comentou.
Propostas
Goulart explica que sua proposta é regatar o nacionalismo e essencialmente devolver ao Brasil a sua soberania. 
“Nesse tempo deste governo ilegal e ilegítimo, a velocidade da transferência dos direitos dos trabalhadores para os setores empresariais e financeiros é de tal ordem que assusta até aqueles que mais defendem o modelo de mercado. Não é mais possível um país que transfere R$ 400 bilhões para o sistema financeiro. Não temos como investir em educação, saúde pública e segurança”, esclareceu.
Ele defende que e chegada a hora de resgatar parte das reformas de base no Brasil. “A Reforma Agrária, hoje, tem que ser acompanhada de uma Reforma Agrícola e Fundiária para que possa integrar essa grande arte de cidadãos que moram nas periferias da cidade. 
Nós temos aí a Lei de Remeça de Lucros proposta em 64 e que as grandes empresas fizeram pressão para que não fosse aprovada. Temos empresas transferindo seus lucros no Brasil para suas matrizes e ficam devendo multas. Isso é uma sangria”, disse.
Sobre esquerda e direita, Goulart disse que, está denominação se justificava em 1964, quando o mundo era dividido apenas nestes dois polos. “Hoje a esquerda ou direita estão sendo provocadas por discursos de ódio no país. 
Em 64 a esquerda falava sobre domínio da União Soviética sobre o mundo, com uma economia de Estado. E os EUA defendia a economia de mercado. Nós brasileiros temos que respeitar a nossa Constituição. 
Nossa Constituição é de economia privada. Hoje não existe mais o modelo soviético. Somos um partido que defende a sociedade e a micro, pequena e média empresa. Defendemos que o lucro gerado palas empresas seja social. Temos que propor ao Brasil algo novo, nosso. Temos que resgatar e colocar sobre o nosso domínio os nosso minérios. Temos que ter uma visão mais Brasil, mais soberana. 
Queremos um Brasil de todos e não apenas dos que mais tem. Temos que resgatar a história do Brasil e devolver ao povo brasileiro o que lhe pertence”, afirmou.
Por Clara Floriano

Moradores filmam viatura do Detran fugindo de motoqueiros em Óbidos

Um caso minimamente curioso foi registrado por moradores da cidade de Óbidos, no oeste paraense. Uma viatura do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) é perseguida por várias motocicletas.
A data não foi especificada, nas imagens é possível verificar que a viatura passa em alta velocidade com os motoqueiros seguindo o carro de forma incisiva.
A situação chega a se tornar piada entre os jovens que em meio a conversa dão a entender que se tratava de uma ação de fiscalização contra o transporte irregular na cidade.
Em nota, o Detran apenas informou que desconhece qualquer registro de perseguição ou ato de violência contra agentes do órgão.
A nota segue informando que equipes do Detran, em parceria com órgãos municipais e estaduais de segurança, realizam no município de Óbidos, ações de fiscalização para coibir irregularidades no trânsito e em combate à criminalidade.

26 PMs assassinados e 40 ameaçados de morte no Pará

De acordo com informações fornecidas pela PM, cerca de 40 policiais militares estão recebendo medidas protetivas por serem ameaçados de morte. 
No dia anterior à morte do sargento Miranda, outro militar havia registrado um boletim de ocorrência policial na Seccional Urbana da Cidade Nova, denunciando uma tentativa de homicídio. 
O policial relatou que vem sofrendo ameaças de morte há algumas semanas por meio de redes sociais e que no fim da manhã de segunda-feira (21) foi seguido por homens que estavam em dois veículos, uma motocicleta e um carro preto, no bairro do 40 Horas, em Ananindeua, município que mais registra violência contra policiais neste ano.
O coordenador geral da Associação em Defesa dos Militares do Pará (Admipa), Luiz Passinho, observa a vulnerabilidade que os policiais militares, em especial os de baixa patente, sofrem no Pará. Dos 26 assassinados em 2018, apenas dois não se enquadram nessa categoria. São considerados de baixa patente soldados, cabos e sargentos. 
E o descaso do Governo do Pará não encerra em baixos salários e falta de infraestrutura no trabalho. Passinho denuncia que os colegas que conseguem resistir a baleamentos, por exemplo, sofrem para se recuperar. “Se ele está hospitalizado, não recebe o ticket-alimentação. Depois, não consegue ter acesso aos remédios de forma adequada. Tenho colega que ficou com várias infecções depois do baleamento e precisa de ajuda dos amigos para comprar os medicamentos”, comenta.
Blog do Xarope com detalhes de Alice Martins Morais

Cinco vão zarpar e um deve chegar no Clube do Remo,após derrota humilhante dentro de casa

Cinco vão zarpar e um deve chegar no Clube do Remo (Foto: Fábio Will/Remo)
Sem conseguir deslanchar na Série C, equipe azulina terá mudanças no elenco (Foto: Fábio Will/Remo)
O mau começo do Clube do Remo na Série C, sobretudo após a derrota vergonhosa sofrida no último final de semana, por 3 a 0, em casa, contra o Confiança, fez com que o departamento de futebol da agremiação tomasse medidas urgentes quanto ao planejamento do time na competição.
Por isso, na manhã de ontem, além da apresentação formal do meio-campista Rafael Bastos, os diretores aproveitaram para falar sobre os próximos passos do setor. E de acordo com os cartolas, o grupo deverá passar por uma repaginada, a começar por uma lista de dispensas.
Segundo o diretor Milton Campos, quatro atletas deverão deixar o plantel já nos próximos dias, por já não fazerem parte dos planos da comissão técnica para o restante da temporada. 
O jogador  Adenilson, que já não vinha mais sendo relacionado nas partidas do time,é outro que deve deixa o time.

Polícia Federal prende mulheres com mais de 10 quilos de maconha

Droga apreendida em Óbidos será periciada e depois incinerada (Foto: Polícia Federal/Divulgação)
As duas ainda tentaram se livrar bagagem quando perceberam a presença da PF
A Polícia Federal prendeu na tarde desta terça-feira (22), duas mulheres que viajavam em uma embarcação que saiu de Manaus (AM) com destino a Santarém (PA).
Elas estavam carregando uma mochila contendo aproximadamente 10,5 kg de material com características de maconha tipo skunk.
As suspeitas tentaram se livrar bagagem quando perceberam a presença da polícia, porém, testemunhas viram e indicaram quem estava com a droga. Elas assumiram serem donas da bagagem e foram conduzidas para a Delegacia de Polícia Federal de Santarém onde será lavrado o termo de flagrante delito.
Blog do Xarope com detalhes do G1
 

terça-feira, 22 de maio de 2018

Bandidos fazem tocaia e matam sargento da PM no bairro do Mangueirão, em Belém

Um sargento da Polícia Militar foi executado na manhã desta terça-feira (22), no bairro do Mangueirão, em Belém. Sargento Sebastião Rosário Miranda estava em uma motocicleta com a esposa quando foi alvejado na cabeça por dois assaltantes, que o aguardavam em uma tocaia.
O sargento pilotava a motocicleta e levava a esposa para o trabalho. Segundo policiais militares que atuam na região, a mulher chegou a ver os dois homens na proximidade da via e pediu para que o marido voltasse, mas ele decidiu seguir na rua. Ao diminuir para passar em uma lombada, a dupla sacou uma arma e disparou na cabeça do PM, que morreu no local. A mulher não foi ferida.
O sargento PM Rosário não resistiu e morreu no local do crime. (Foto: via WhatsApp)
Os criminosos roubaram a arma do policial e fugiram em direção à região conhecida como invasão do Sabão. Equipes da PM realizam as buscas pelos envolvidos.
Sargento Rosário foi o 25° policial militar assassinado no Pará só neste ano. A última vítima havia sido o soldado Josias Favacho, de 29 anos, baleado na cabeça no dia 15 deste mês, enquanto estava em uma lanchonete em Ananindeua. Além dos mortos, pelo menos outros 11 policiais foram vítimas de ataques no Estado em 2018.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Ministério Público alerta prefeito de Vitória do Xingu, e pede anulação por ilegalidade de contrato firmado entre o município e o escritório de advocacia D’Oliveira

Resultado de imagem para advogados de vitoria doxingu
Prefeito José Caetano com o advogado  Robério de Oliveira (Escritório de advocacia D’Oliveira Advogados), e outros advogados em Vitória do Xingu 

A ação preventiva do Promotor de Justiça, Daniel Bona, evitou um prejuízo de milhões aos cofres públicos de Vitória do Xingu ao recomendar à prefeitura e alguns secretários municipais a anulação, por ilegalidade, do contrato firmado entre o município e o escritório de advocacia D’Oliveira Advogados.

Um dos contratos firmados pelo escritório de advocacia com o Fundo Municipal de Educação estava fundamentado pela inexigibilidade de licitação. O objeto do contrato consistia em ajuizamento de ação, junto à Justiça Federal, em favor do Fundo Municipal de Educação.
A contratação envolvia milhões de reais e previa, como pagamento pela prestação dos serviços que o valor dos honorários advocatícios fosse correspondente a 20% do montante auferido com a execução do objeto do contrato, a ser paga no momento em que o Município recebesse o crédito do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF), uma ação ilegal segundo apurou o Ministério Público. Primeiro porque o escritório seria contratado sem licitação; segundo porque não foi estabelecido preço certo na contratação, e terceiro porque a previsão de pagamento estava vinculada a recursos da educação.
Dessa forma, o MPPA recomendou ao prefeito de Vitória do Xingu e ao Secretário de Educação do Município a anulação do contrato do escritório de advocacia para prestação de serviços visando ao recebimento dos valores decorrentes de diferenças do FUNDEF. Recomendou ainda que o Município buscasse o recebimento de tais verbas por meio de sua Procuradoria Municipal e que tais verbas tivessem sua aplicação vinculada exclusivamente a ações em educação, mediante conta específica a ser aberta para tal finalidade. A Recomendação expedida pelo MP foi recebida e cumprida pelo município que anulou o contrato com o escritório, evitando assim o prejuízo aos cofres públicos.
Além desse contrato, havia outros 5 irregulares com o mesmo escritório sendo que o Promotor também Recomendou a anulação dos mesmos. Esses processos envolviam, além da Secretaria de Educação, as secretarias municipais de Saúde, de Trabalho e Promoção Social, de Meio Ambiente e Turismo.
O Promotor Daniel Bona ressalta que a contratação de advogados pela Administração Pública deve seguir as recentes decisões do Tribunal de Contas da União e do STJ no sentido de que as mesmas só podem ocorrer, por meio de inexigibilidade de licitação, se forem devidamente justificadas com a demonstração de que os serviços possuem natureza singular e com a indicação dos motivos pelos quais se entende que o profissional detém notória especialização.
Além disso, o escritório de advocacia estaria realizando serviços jurídicos genéricos e comuns, que poderiam ser realizados sem custo algum pela Procuradoria Jurídica do Município observando que em Vitória do Xingu existe um Procurador do Município e que o valor total de todos os contratos firmados com o escritório D’Oliveira Advogados, em comparação com o valor pago a título de remuneração ao Procurador Municipal, pode configurar superfaturamento fracionado.
Resultado de imagem para prefeitura de vitoriado xingu
MP evitou um prejuízo de milhões aos cofres públicos de Vitória do Xingu
Com isso, o Ministério Público chegou à conclusão que os contratos feitos pela prefeitura com o escritório D’Oliveira Advogados não obedeciam aos requisitos legais e solicitou tanto à prefeitura quanto às Secretarias Municipais que enviassem ao órgão os atos de anulação recomendados. Medida que também foi acatada pela prefeitura que acabou anulando os contratos.

Buraco causa acidente e deixa uma vítima fatal na Avenida Cuiabá


Francisca Diacui Granjeiro Rodrigues (foto), 42 anos, veio a óbito no domingo(20), após a motocicleta que pilotava perder o controle, e colidir com outra motocicleta, na avenida Cuiabá, próximo a um posto de combustível, no bairro Esperança, em Santarém.

Segundo informações, era por volta de 20h, quando o acidente aconteceu. Populares que observaram o movimento, relataram que a vítima, que conduzia uma moto da marca Honda, modelo Biz, tendo como carona seu esposo, tentou desviar dos buracos da via, momento que perdeu o controle da direção.
Outras três pessoas ficaram feridas, e foram encaminhadas ao Pronto Socorro Municipal (PSM), onde receberam atendimento médico e aguardam nova avaliação nesta segunda-feira(21).

São Raimundo-PA 4 x 3 São Raimundo-RR - Pantera vence Mundão e embola grupo


São Raimundo-PA venceu no Colosso dos Tapajós e segue vivoSão Raimundo virou o jogo e alcançou o rival na tabela, deixando o grupo embolado

Os xarás São Raimundo-PA e São Raimundo-RR fizeram um jogão de sete gols neste sábado, que terminou com vitória dos Paraenses por 4 a 3 e manteve as vagas do Grupo A3 para a próxima fase indefinidas. O duelo, válido pela quinta rodada do Grupo A3 do Campeonato Brasileiro Série D, aconteceu no estádio Colosso dos Tapajós, em Santarém.
Com a vitoria, o Pantera chega a sete pontos, na terceira colocação do Grupo A3. A pontuação é a mesma do Mundão, que fica na vice-liderança devido aos critérios de desempate. O líder da chave é o Nacional-AM, que tem nove pontos, e o Real Ariquemes-RO é o lanterna, com cinco pontos.
O JOGO
O duelo foi bastante agitado desde os primeiros minutos. Mesmo fora de casa, o São Raimundo-RR abriu o placar logo aos 12 minutos de jogo, com Igor. Mas o Pantera deixou tudo igual aos 21 minutos, com Wendel cobrando pênalti. Aos 37 da primeira etapa, Romário marcou o gol da virada dos mandantes, 2 a 1.
Na etapa final, aos 11 minutos, o São Raimundo-PA abriu vantagem de 3 a 1, com Jefferson Monte Alegre cobrando pênalti. Mas o Mundão voltou para o jogo aos 16 minutos, em cobrança de pênalti de Romanelli. Já na reta final, aos 42 minutos, Tavinho voltou a ampliar a vantagem dos mandantes, fazendo 4 a 2. O placar foi fechado com gol de Alan Caruaru aos 45 minutos do segundo tempo, descontando para 4 a 3.
PRÓXIMOS JOGOS
Na próxima rodada, a sexta e última da primeira fase, o São Raimundo-RR receberá o Nacional-AM no estádio Ribeirão, em Boa Vista-RR. Já o São Raimundo-PA visita o Real Ariquemes-RO no estádio Valerião, em Ariquemes-RO. Os dois jogos acontecem às 18h do próximo domingo.
São Raimundo venceu com: 
Jader; Alan, Guilherme Muller, Ciro e Mauryan;
Romário Keoma, Jeová e Wendell (Marquinho);
Jefferson Monte Alegre (Chocolate) e Marcelo Maciel.
Técnico: Vladimir de Jesus

Corpo de vítima suspeito de latrocínio é encontrado em campo de futebol na comunidade de Tabocal


Vítima foi identificada como Joilson Carvalho Gomes, de 27 anos.
Um jovem foi encontrado morto na manhã deste domingo (20), em um campo de futebol na comunidade Tabocal, que fica na região da BR-163, há 22 km de Santarém, no oeste do Pará. A vítima foi identificada como Joilson Carvalho Gomes, de 27 anos.
A Polícia Civil informou que o corpo tinha marcas de facadas e que ainda não há detalhes sobre autoria ou motivação do crime. Até esta publicação, ninguém havia sido preso.
A principal suspeita, segundo a polícia, é de que ele tenha sido vítima de latrocínio - que é o roubo seguido de morte. O cordão de ouro da vítima não foi encontrado, além de outros pertences.
O corpo de Joilson Gomes foi removido ao CPC e deve passar por necropsia e depois liberado para a família.

Carro pega fogo e fica totalmente destruído na estrada que Liga Santarém a vila balneária de Alter do Chão.

Um carro de passeio, modelo EcoSport, pegou fogo e ficou totalmente destruído pelas chamas na tarde deste domingo (20) em Santarém, no oeste do Pará.
O incidente aconteceu na altura do km 27 da rodovia Everaldo Martins (PA-457), estrada que liga a cidade a vila balneária de Alter do Chão.
Segundo informações, ninguém se feriu. Também não se sabe as causas do incêndio. O veículo ficou parado no acostamento da rodovia e não houve congestionamento.
Carro de passeio totalmente destruído pelo fogo na margem da PA-457 (Foto: Sílvia Vieira/G1)

domingo, 20 de maio de 2018

Tiros com características de execução mata empresario Luciano Fernandes em Anapu

Foi assassinado à tiros com características de execução em Anapu, o empresário Luciano Albano Fernandes de 52 anos, irmão dos ex-prefeitos Silvério(Altamira) e Délio Fernandes(Anapu).
Ouvidoria Agrária Regional diz que cidade tem 20 áreas de risco de conflitos. Luciano entra para estatistificas do Município que mantém cotidiano violento após a morte de Dorothy Stang.  

As informações dão conta de que o empresário foi alvejado com vários tiros na região do pescoço, após atender uma ligação por volta das 22h deste sábado (19), na varanda de sua residencia.
Após os disparos Luciano ainda, teria entrado na casa chamando pelos irmãos e dizendo “me mataram”, segundo relatos de policiais, 
Luciano sangrou bastante e chegou a ser levado pelos irmãos Cláudio e Silvério para o hospital municipal de Anapu, mas ele não resistiu aos ferimentos e veio a óbito.
Provavelmente, o atirador ou atiradores estavam de tocaia.  
Os famílias atribuem o crime a disputa por terras na região de Anapu, conflito que já dura décadas. 
Além da equipe da Delegacia de Anapu, a Superintendência da Polícia Civil na região do Xingu, sediada em Altamira, determinou o enviou a Anapu de uma equipe da Delegacia de Homicídios de Altamira (DHA) para dar suporte às investigações do crime.
Familiares pedem Justiça- Após morte do irmão, fazendeiro desabafa, e denuncia violência em Anapu. Revoltado, e ainda em choque, o ex-vice-prefeito de Altamira Silvério Fernandes, irmão da vítima, gravou um video, e desabafou. O fazendeiro atribuiu a morte do irmão aos conflitos fundiários ocorridos em Anapu, que segundo ele, estão sem controle há anos, ele menciona no vídeo o nome do presidenciável Jari Bolsonaro pedindo “ajuda” para viver em paz.

Fachin quer saber quem do MDB a PGR quer investigar, e Jader Barbalho é citado como beneficiado

Resultado de imagem para jader barbalho preso
O Senador do Pará. citado já foi preso uma vez pela policia federal
São mencionados como beneficiários os senadores Renan Calheiros (AL), Jader Barbalho (PA), Romero Jucá (RR), Eunício Oliveira (CE), Vital Do Rêgo Filho (PB), hoje ministro do Tribunal de Contas da União, Eduardo Braga (AM), Edison Lobão (MA), Valdir Raupp (RO), "dentre outros". 
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, pediu que a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, especifique quem será investigado no inquérito que apura os repasses da J&F a integrantes do MDB, entre eles, Michel Temer.
Isso porque diversos nomes de políticos são mencionados nos documentos, planilhas e depoimentos dos executivos da J&F. O que não significa que todos eles seriam investigados, entrando para a possibilidade de, posteriormente, serem denunciados.
Fachin autorizou a abertura do inquérito a pedido de Raquel Dodge, nesta quarta-feira (16), com base nas delações do ex-senador do partido e ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, e do executivo da J&F, Ricardo Saud.
Foram ambos que revelaram diversas acusações contra o próprio presidente Michel Temer, o senador tucano Aécio Neves, além de outros integrantes do MDB. Em uma das acusações, narraram que o grupo repassou mais de R$ 40 milhões ao partido nas eleições de 2014, com suposta origem ilícita.
São mencionados como beneficiários os senadores Renan Calheiros (AL), Jader Barbalho (PA), Romero Jucá (RR), Eunício Oliveira (CE), Vital do Rêgo (PB), hoje ministro do Tribunal de Contas da União, Eduardo Braga (AM), Edison Lobão (MA), Valdir Raupp (RO), "dentre outros".

Joelma desabafa sobre relação com Ximbinha: 'Quem perdoa é quem ganha'

Joelma desabafa sobre relação com Ximbinha: 'Quem perdoa é quem ganha'Ao falar do single 'Perdeu a razão', lançado recentemente em parceria com a sertaneja Marília Mendonça, a cantora recorda um momento delicado de sua infância.
Nesta sexta-feira (18) Mariana Godoy recebe em seu 'Mariana Godoy Entrevista' a cantora Joelma. Durante bate-papo, a paraense relembra momentos de sua vida pessoal e fala do fim conturbado de seu relacionamento com Ximbinha, com quem foi casada durante 18 anos.
"Escolhi perdoar, não só ele, mas qualquer pessoa na face da Terra, porque quem perdoa é quem ganha. (...) E sempre falo para as pessoas não confundirem perdoar com voltar a confiar", diz. Ainda sobre o assunto, Joelma também confessa o que a levou a prestar queixa contra o músico após a separação: "Ele não tinha controle e eu sabia que não teria paz se não fizesse isso. Ele precisava de ajuda para se encontrar e isso deu paz a mim e a minha família. Me respaldei de todas as formas". 

Deputado do Solidariedade reuniu com prefeitos em Belém e orientar os gestores sobre emendar do parlamentar

Sob o comando do deputado federal Wlad Costa, o Solidariedade reuniu em Belém com cerca 52 municípios paraenses, em um hotel no centro da cidade. 
Wlad anunciou quase 20 milhões de reais, que inclusive já se encontram nas contas das prefeituras. 
Centenas entre Prefeitas e Prefeitos, além de vereadores e lideranças estiveram neste último dia 17 no Hotel Princesa Louçã, em Belém para participar de um grande evento realizado pelo Solidariedade,
Vejam os municípios para onde Wladimir Costa destinou verbas parlamentares: Abaetetuba, Acara, Ananindeua, Augusto Corrêa, Aurora do Pará, Barcarena, Belém, Belterra, Benevides, Bonito, Bragança, Breu Branco, Capanema, Capitão Poço, Castanhal, Concórdia, Curionópolis, Curuçá, Garrafão do Norte , Igarapé Açu, Igarapé Miri, Itaituba, Marapanim, Marituba, Nova Esperança do Piria, Nova Timboteua, Novo Progresso e Novo Repartimento.

sábado, 19 de maio de 2018

Prefeito Jailson Alves de Mojui dos Campos completa 50 anos neste Sábado dia 19

O município de Mojui dos Campos, no Oeste do Pará está em graça neste sábado (19) quando o prefeito Jailson Alves completa 50 anos de idade. É um momento importante e de muita celebração, pois são cinquenta anos de uma grande vida, de um grande homem. 
A data vai ser celebrada juntamente com a população que se orgulhar de ter um prefeito tão simples e competente, num momento tão dificil que passar todos os municípios Brasileiro.
Jailson da Costa Alves nasceu no Município de Mojuí dos Campos, Estado do Pará. 
em 19 de maio de 1968, filho do Sr. Manoel Alves e da Sra. Francisca Ercília da Costa Alves, 
Exerceu a função de Técnico Bancário entre 05/12/1988 a 04/12/1995, no Banco Bamerindus; lecionou por 03 (três) anos, no Colégio Estadual Fernando Guilhon em Mojuí dos Campos, como professor de matemática; iniciou a carreira política no ano de 2007 quando foi eleito Presidente do Conselho Comunitário de Mojuí dos Campos, com 75,5% dos votos. 
Foi eleito Vereador pelo Município de Santarém, com 2.967 votos, ocupou o cargo entre o período de 2009 a 2012, sendo que no último pleito realizado em outubro de 2012 foi eleito o 1º Prefeito do mais novo Município do Estado do Pará, com 68,03% (8.653 votos). 
Jailson da Costa Alves foi reeleito Prefeito no pleito realizado em outubro de 2016, com 8.302 votos e empossado no dia 01 de janeiro de 2017 pelo Presidente da Câmara Municipal.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Licenças sem justificativa custam ao Senado quase R$ 1,5 milhão em 3 anos, aponta levantamento

Licença para atividade parlamentar' permite aos senadores faltar a uma sessão sem justificativa e sem desconto no salário.Resultado de imagem para senado
Em pouco mais de três anos da atual legislatura, quase todos os senadores utilizaram a chamada "licença para atividade parlamentar", que permite faltar a uma sessão deliberativa sem apresentar justificativa e sem desconto no salário.
Segundo levantamento do G1, nesse período, 76 senadores atualmente no exercício do mandato e outros 13 que em algum momento exerceram o mandato requisitaram essa licença, que não existe na Câmara dos Deputados.
No total, são 1.320 ausências, pelas quais o Senado pagou R$ 1,48 milhão – considerando que um dia do salário mensal (R$ 33,7 mil) de um senador corresponde a R$ 1.125,43.
O levantamento contabilizou as sessões deliberativas ordinárias realizadas desde o início de 2015, quando começou a atual legislatura, até abril deste ano.

Marcelinho Paraíba tem prisão decretada por atraso de pensão

Marcelinho Paraíba tem prisão decretada por atraso de pensãoFoi decretada nesta sexta-feira (18) a prisão do jogador de futebol Marcelinho Paraíba por atraso no pagamento de pensão alimentícia.
O mandado de prisão foi expedido pelo juiz Cláudio Pinto Lopes, da Vara da Família de Campina Grande, noticia o G1. 
O atleta, que atualmente atua no time do Treze, em Campina Grande, já defendeu a Seleção Brasileira.
Marcelinho tem 43 anos de idade e jogou em equipes como o São Paulo, o Grêmio e o Herta Berlim, da Alemanha.

Dupla é presa em flagrante com 35 papelotes de crack em Almeirim

Prisão aconteceu na madrugada desta sexta-feira (18). Os suspeitos foram autuados em flagrante por tráfico de drogas e encaminhados à Delegacia de Polícia Civil de Almeirim para procedimentos 
Dois homens foram presos em flagrante na madrugada desta sexta-feira (18), no município de Almeirim, no oeste do Pará, suspeitos de tráfico de drogas. Segundo informações da polícia de Almeirim, a dupla estava em posse de 35 papelotes de crack e uma motocicleta Yamaha YBR preta, em um posto da cidade.
A abordagem dos suspeitos foi feita pelo ROMU GCM Edinaldo, que efetuou a prisão em via pública. O flagrante por tráfico de drogas foi efetuado, tendo em vista o Art. 33 caput da Lei 11.343/06.

Corpos e avião que desapareceu no AM são encontrados em área de mata fechada

Equipes de resgate encontraram aeronave perto de comunidade em Itacoatiara, na divisa com Urucurituba.
Renan Azevedo (foto), era o piloto da aeronave que desapareceu na manhã de quarta-feira(16).
Os dois corpos do piloto e co-piloto foram encontrados no local onde um avião bimotor teria caído, em uma área de mata situada na comunidade do Paí, na Zona Rural de Itacoatiara, a 270 km de Manaus. A informação foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros, na noite desta quinta-feira (17).
O encontro dos corpos e dos destroços da aeronave foi comunidado pela Polícia Civil, por meio do delegado de Urucurituba, e pelo Corpo de Bombeiros do Amazonas, no fim desta tarde.
Por volta de 21h30, os bombeiros informaram que os corpos estavam a caminho do hospital de Itacoatiara. Do local, eles devem seguir para o Instituto Médico Legal (IML) em Manaus, onde serão identificados.
O co-piloto Sousa
Conforme o último pronunciamento oficial da FAB, apenas o desaparecimento do avião foi constatado, até às 18h desta quinta.
De acordo com informações repassadas pela Força Aérea Brasileira (FAB), o monomotor de matrícula PR-RCJ sumiu em uma área de mata na região limitrofe aos municípios Nova Olinda do Norte, Urucurituba e Itacoatiara.
A aeronave desaparecida decolou de Itaituba, no interior do Pará, às 7h10 (hora local) e tinha previsão de pousar no Aeródromo de Flores, em Manaus, por volta de 7h55 (hora local), mas sumiu antes de chegar ao destino.
Segundo a PM de Urucurituba, moradores de uma fazenda informaram que viram o avião voando próximo às árvores e depois desaparecendo em meio a vegetação.

Agentes da PRE são afastados do cargo acusados de falsificar ocorrências

De acordo com a Justiça, os funcionários teriam falsificado boletins de ocorrência para justificar o aumento da produtividade do serviço.Resultado de imagem para Polícia Rodoviária Estadual (PRE)
Justiça Militar do Pará afastou nesta quinta-feira (17) dez agentes da Polícia Rodoviária Estadual (PRE). Os funcionários foram acusados de falsificar boletins de ocorrência para justificar o aumento da produtividade do serviço. Os policiais envolvidos devem ser interrogados a partir da próxima semana. 
Segundo a Justiça, a irregularidade ocorria nas cidades de Conceição do Araguaia e Redenção, ambas no sul do Pará.
De acordo com a promotoria, os policiais procuravam se manter nos lugares onde foram lotados.
O órgão foi acionado pela Federação da Agricultura que, após denúncias de motoristas e produtores rurais da região, decidiu prestar queixa.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Suspeito de envolvimento no assassinato de professor em Altamira foge no momento da prisão
Com mandado de prisão temporária decretado, Weliton Pires Damasceno fugiu no momento da abordagem policial. Houve troca de tiros. O professor José Adriano Giorgi foi encontrado morto depois de 6 dias desaparecido.
Polícia localizou em Anapu, sudoeste do Pará, um homem suspeito de participar do assassinato do professor José Adriano Giorgi. Vítima teve o corpo encontrado no dia 27 de abril, após seis dias desaparecido. O suspeito, identificado pela polícia como Weliton Pires Damasceno, possui um mandado de prisão temporária decretado pela Justiça, mas conseguiu fugir no momento da abordagem policial.
O suspeito estava com outros dois homens em uma casa quando a polícia chegou. Houve troca de tiros.
Os dois homens foram presos e transferidos para a Seccional de Altamira. Segundo a polícia, ambos são suspeitos de integrar um grupo criminoso na cidade e um deles é investigado em cinco casos de homicídios.
No local da troca de tiros os policiais apreenderam um revólver que pode ter sido usado na morte do professor José Giorgi. A arma deve ser analisada pela perícia para confirmar a suspeita.
O professor José Adriano Giorgi, foi encontrado morto em abril de 2018 na cidade de Altamira, sudeste do estado. A vítima era docente da Universidade Federal do Pará (UFPA). O corpo de José Giorgi foi encontrado carbonizado. Segundo a perícia, ele teve as mãos amarradas e levou um tiro na cabeça.
O professor José Adriano Giorgi
Um dia após o crime, uma mulher foi detida na delegacia de Altamira suspeita de envolvimento no assassinato. Segundo a polícia, Ândrea Rufino Mendes, de 18 anos, teria planejado a morte do professor.
No início de maio de 2018, a polícia prendeu a segunda suspeita de envolvimento na morte de José Giorgi. Segundo a polícia , a mulher identificada como Denise Caetano dos Santos, 20 anos, seria uma ex-aluna da vítima e teve a prisão temporária decretada pela justiça.

AVC fulminante: Sargento Rosinaldo será sepultado nesta sexta-feira em Santarém

É com extremo pesar que o 4º Grupamento de Bombeiros Militar (4º GBM), através da Assessoria de Comunicação Social, vem informar o falecimento do Sargento BM Rosinaldo da Silva Ramos, que aconteceu nesta quinta-feira (17). 
Após sair do serviço, o Militar se deslocou até Santarém onde mora a família, chegou na cidade sentindo-se mal e foi internado com princípio de AVC, vindo a falecer devido complicações. 
O Militar iniciou sua carreira como Bombeiro neste Grupamento, no ano de 1994, atuou no 4º SBM/INFRAERO e atualmente fazia parte do 7º Grupamento de Bombeiros Militar, em Itaituba. 
O velório acontecerá na Igreja Assembleia de Deus, localizada na Rua Raimundo Fona, entre Mendonça Furtado e Avenida São Sebastião, Bairro Liberdade. 
Lamentamos o ocorrido e oferecemos aos familiares nossas sinceras condolências, bem como nossos mais estimados préstimos. Em nome do Comandante da Unidade, Tcel Tito e de todo o Grupamento.

MP: Município de Rurópolis terá de realizar concurso público no prazo de até um ano

Resultado de imagem para prefeito taka  de ruropolisCaso a sentença não seja cumprida no prazo determinado, será aplicado ao Prefeito municipal, Juscelino Padilha, multa diária de R$ 5 mil, revertida em favor do fundo da infância e juventude, até o limite valor de R$ 200 duzentos mil reais, conforme as previsões da Lei de Ação Civil Pública, determinou na sentença o juiz Odinandro Garcia Cunha.
Após ação civil pública (ACP) interposta pelo Ministério Público do Estado do Pará, a justiça estadual julgou parcialmente procedente o pedido e determinou ao município de Rurópolis que realize concurso público e nomeie os aprovados para os cargos ocupados irregularmente por servidores temporários e comissionados, no prazo máximo de um ano, contado da intimação da sentença. Dentro desse período deverá ser publicado o edital, avaliações, homologação do concurso e nomeação dos habilitados, sob pena de multa diária no valor de R$ 5 mil reais.
A promotora de Justiça Mariana Sousa Cavaleiro de Macêdo Dantas propôs a ação, com o objetivo de estimular o Município de Rurópolis a realizar concurso público para todas as áreas, uma vez que há mais de 12 anos isso não ocorre. “O último concurso público realizado no Município ocorreu em 27 de setembro do ano de 2005”, relatou a promotora.

Seminário traz informações e debates sobre direitos e dignidade LGBT em Santarém

Nesta quinta-feira (17), dia Internacional contra a LGBTfobia, o Ministério Público de Santarém promoveu por meio do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (CEAF) do MPPA, o seminário “Dignidade das pessoas LGBT- o MP e a garantia dos Direitos”, no auditório do MP em Santarém. Participaram integrantes do Ministério Público, estudantes e profissionais de áreas como educação e saúde.
O seminário foi aberto pelo diretor do CEAF e coordenador do CAO Constitucional, promotor de justiça Marco Aurélio Nascimento. “Esse assunto está na ordem do dia, pois precisamos direcionar políticas adequadas em que se respeite o princípio da igualdade”, disse.
A promotora de justiça Lilian Braga, da promotoria de Saúde e Educação, ressaltou que a atividade é institucional e ocorre também em outros municípios. “Nós precisamos realizar uma audiência pública, e pensamos em primeiro fazer o seminário para nivelar as informações e a partir discutir como estão os serviços na região e pontuar o foco da atuação do MP”, informou.
As palestras foram ministradas pelo professor da Ufopa, Rui Harayama, sobre o impacto da LGBTfobia no processo de escolarização, e a psicóloga Vanusa Marques, da ONG Grupo Homossexual de Santarém (GHS), sobre saúde e impactos do preconceito na vida das pessoas LGBT.

Prefeitos ligados a AMUT se reuniram em Placas para deliberar melhorias em defesa dos municípios da região

Os prefeitos participarão de duas Marchas. A primeira será nesta sexta-feira, 18 em Belém e outra em Brasília, no próximo dia 21.
Texto: Katia Aguiar
Os prefeitos ligados a Associação dos Municípios das Rodovias Transamazônica, Santarém-Cuiabá e Região Oeste do Pará (AMUT) estiveram reunidos nesta quarta-feira, 16, na Câmara Municipal de Placas, região da Transamazônicas, para reafirmar posicionamentos dos consorciados a serem defendidos pela melhoria dos municípios consorciados. 
Entre as demandas defendidas na reunião em Placas, que serão levadas à Brasília, em uma pauta a ser discutida com o Presidente da República, Michel Temer, estão: regularização fundiária urbana e rural; manutenção das estradas e vicinais via Incra; aumento do valor pago por aluno no Transporte Escolar, e merenda escolar.
Os prefeitos também vão defender, em função da peculiaridade da Região da Transamazônica, Santarém/ Cuiabá, a pavimentação asfáltica da BR 422, manutenção e conclusão das BRs 230 e 163; e ainda a criação da Universidade Federal do Xingu, criação do Estado Tapajós, entre outras demandas como a construção de um hospital de referência, para atender as demandas dos municípios.
Os representantes do Instituto “Tapajós é Meu Estado”, apresentaram os benefícios que terão os municípios que poderão vir a ter como parte integrante do do futuro estado do Tapajós. Após um diálogo entre os presentes, a reunião foi encerrada com uma oração, ministrada pelo Pastor Euquias da Igreja Assembléia de Deus de Missões.
Estiveram presentes na mobilização em Placas o prefeito de Santarém, Nélio Aguiar, presidente da Federação das Associações dos Municípios Paraenses (Famep), o presidente AMUT e prefeito de Pacajá, Francisco Tozetti, e prefeito de Belterra, Jociclélio Macedo, prefeito de Mojuí dos Campos, Jaílson Alves, prefeita de Placas, Raquel Brandão, prefeito de Porto de Moz e presidente do Consórcio Belo Monte, Rosibergue Campos, prefeito de Rurópolis, Joselino Padilha, o secretário executivo da Amut, José Carlos Picanço, além de vereadores e lideranças locais.
Os prefeitos Jailson do Mojuii, Nelio Aguiar e Macedo com a anfitrião do encontro  prefeita de Placas Raquel Brandão